sexta-feira, 27 de abril de 2012

Tarde de mais



Não acaba do dia pra noite
Vai morrendo
Se esvaindo
Em cada nervoso desnecessário
Em cada palavra sufocada
Em cada mentira tola que me contou
Eu sei
Errei
Errei em deixar chegar tão longe
Nunca esperei que mudasse
Apenas fui até onde pude suportar
Não, a culpa não é só sua
É minha
Por não ter sido impositiva o suficiente
Por não ter gritado quando era preciso
Por ter “deixado pra lá”
Tanta coisa que me machucava
Pouco a pouco
Martelando sob o ferimento
E eu ia me blindando
Não é simples acordar e me dar conta
Acabou
Simplesmente se foi
Sei que fizeste o possível
Sei que vinha tentando mudar
Mas não é simples dizer: é tarde de mais

Um comentário: