terça-feira, 25 de outubro de 2016

DESABAFO



Sinto hoje uma necessidade incontrolável de escrever.
Um ímpeto em desabafar.
Com o tempo aprendi que até pra desabafar é preciso sabedoria.
E faze-lo para qualquer pessoa, por mais próxima e confiável que lhe pareça, nem sempre é uma boa ideia.
Não consigo ficar ao seu lado com tantas reclamações
Se o dia está nublado: Ah tudo cheira a mofo
Se o dia está ensolarado: O calor não lhe deixa trabalhar
Se faz frio, é os dedos que lhe doem
Se faz calor, cadê o frio de outro dia?
Se seus clientes lhe ligam sem parar, não aguentas o toque insistente do telefone
Se não ligam, não sabe como paga as contas exorbitantes que adquire
Reclama que está cansado
Que não faz nada de diferente aos fins de semana
Mas se tem uma reunião em família, reclama que quer ficar em casa
Se vai, se põe a reclamar que eu não fico próxima a ti
Mas se fico, reclama de tudo ao seu redor
Reclama da minha família
E reclama da sua também
Nada lhe parece bem,
Nada lhe é suficientemente bom
Provavelmente nem eu o sou
Sinto o amor se esvaindo
Como se esvai minha vontade de permanecer ao seu lado
Nunca fui romântica ou cobrei romantismo
Mas ninguém gosta de ser mal tratado
Se faço cada vez menos carinho
É por que toda vez que me aproximo ou me dás patada ou me pedes algo para me afastar
Não há conversa se questiono tanta reclamação
Sua resposta é falo o quanto eu quiser
Se não consegue ver que me afastas
Provavelmente é porque me desejas longe
Então, não chores quando eu partir