quinta-feira, 12 de abril de 2012

Metamorfose

Mudo constantemente
E ainda assim, conservo minha essência
Escrever reflete bem tamanha instabilidade
As vezes escrevo mais
As vezes menos
Mas escrever é como fuga
É ganha pão
É ganhar o mundo
É ficar marcada no tempo e no espaço
Hoje eu quero o sol
Amanha eu quero o luar
Hoje o doce
Amanha quem sabe
Eu passo pela vida deixando minha marca
As vezes imperceptíveis aos olhos
As vezes irritantemente flagrante
Mas sempre inesquecível.

"E mesmo que eu faça dos meus rabiscos arte, e dos meus medos poesia, aos seus olhos serei sempre criança perdida!"

Um comentário:

  1. Que lindo, divido a mesma opinião.
    As vezes, se escrevo algo hoje, vou ler amanhã já não parece que fui eu que escrevi.

    ResponderExcluir